sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Obrigado Sandra!

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Coragem!

Para ler o livro é preciso estar com um determinado ‘estado de espírito’!
Desde que editei este livro tenho sido confrontado com realidades muito tristes! Muitas delas realmente demolidoras e que nos fazem estremecer!
Aproveito para aconselhar quem espera e desespera que o filho seja transplantado ou quem também esteja á espera de um transplante, para ler o livro com alguma prudência!
Citando o “Lutar até Viver”:
“A todos os que estão ou venham a estar numa situação equivalente, envio uma mensagem de muita esperança. O pensamento positivo é o nosso principal aliado e parafraseando o poeta “vale sempre a pena se a alma não é pequena”! Por tudo o que passámos digo que vale sempre a pena lutar por uma vida, como o refere o título deste pequeno livro, é “lutar até viver”! Lutar, lutar desenfreadamente, por vezes desesperadamente, mas lutar! Nunca, mas mesmo nunca poderemos desistir, porque só acreditando que podemos vencer, é que venceremos!” (…)
“Não há palavras que descrevam o que sentimos quando ri, brinca, salta, enfim, quando o vemos feliz no meio de nós!
O seu sorriso é especial e é verdade que algo de mágico lhe envolve a silhueta!
Quando o vemos no meio das brincadeiras com os outros miúdos, o mais fantástico é que o Vitinho é efectivamente uma criança que não se distingue das outras. Corre, joga futebol, grita, é traquina e ninguém consegue perceber pelo que passou.
Este é o grande mérito da transplantação hepática, é que efectivamente, é uma solução!
É a “ultima ratio”, mas é uma solução! Percebe-se que em doenças como a atrésia das vias biliares e em algumas doenças metabólicas só se avance para o transplante quando a situação se começa a revelar insustentável. Todos os pais de crianças nestas circunstâncias vivem este drama e mesmo sabendo que muitas vezes os seus filhos têm uma qualidade de vida sofrível, preferem manter esse cenário.
Por tudo isto é fundamental apostar cada vez mais na “Escola de Coimbra”, para que se atinjam taxas de sobrevida perto dos 100% e assim dar-se cada vez mais confiança aos pais de que o TRH é efectivamente a solução!
Existem guerras titânicas, guerras que nos envolvem, guerras que nos consomem e para as vencer, temos de acreditar! Acreditar na sorte, acreditar na nossa força, acreditar nos médicos, acreditar na fé que nos irá orientar, acreditar em suma!”

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Devagarinho, mas o livro está a cumprir a sua missão...

Tenho recebido os mais diversos contactos, desta vez o e-mail veio de França.

"moro em frança gostaria muito mesmo de comprar o livro pois tenho o meu filho na lista de espera para um transplante;por favor responda a este email"

Hoje também seguiu um livro para alguém que desespera por um transplante pulmonar.

Valeu a pena meter-me nesta aventura!

Valeu realmente a pena!

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Dois amigos atingiram-me no coração!


Uma música de 1964 que me diz muito e me faz recuar aos anos 70 e 80... com muita saudade!

In my life
Lennon/McCartney

A história da Lígia

Conforme disse ontem, aqui vai então a história da Lígia!

Estávamos em 1965, a Mãe da Lígia estava gravemente doente porque tinha um tumor no útero. Foram exames para cá, radiografias para lá, etc, e mais uma vez o mesmo Dr. Mário Cunha andava á volta do problema, quando ... a mãe da Lígia sentiu o "tumor" mexer! Os médicos de então ficaram alarmados, porque perceberam imediatamente que o que crescia não era o tumor, mas sim um feto!

A Lígia desenvolveu-se no ventre materno exposta a cargas de radioactividade perigosas e como se sabe, os RX de então não utilizavam as mesmas cargas de radiação dos de hoje. Mesmo hoje seria impensável, mas imagine-se pelo que passou nessa altura!

A probabilidade de ter graves malformações era muito elevada e a mãe, para todos os efeitos, tinha um problema grave, que também tinha de ser eliminado "pela raiz".

Felizmente todos decidiram arriscar e deixar a 'histerectomia total' para outras núpcias!

A Lígia nasceu no dia 02/01/1966 saudável e a minha Sogra, também ainda por cá anda.

Ou seja, as N/ vidas estão pautadas por vários milagres! A Patrícia também já beneficiou de um e a Inês também!

Somos uns afortunados!

domingo, 24 de janeiro de 2010

Uma foto diferente!


Já provei os patos! Contrariamente ao que a Laurinda Alves costuma fazer (no seu blog), não vou descrever o cenário pois isso iria causar grave perturbação aos leitores deste meu blog....

Envio-vos uma foto, não de 1964, mas de 1973.

25 de Janeiro de 1964

Há 46 anos estávamos em plena "Beatlemania", depois do lançamento do primeiro single Love Me Do (05/Out./1962), com o início daquilo que veio a culminar com a superação da influência cultural francesa e que hoje, infelizmente, está completamente esquecida! Vivia-se o início de uma nova era que teve coisas muito bonitas, mas algumas delas muito trágicas, como por exemplo, o movimento Hippie que tinha uma essência muito sã, mas depressa descambou para a desgraça, especialmente na parte que dizia respeito às drogas duras.

Portugal vivia, como sempre, no obscurantismo, mas alguns iluminados mais curiosos e abertos aos movimentos culturais que vinham do exterior tinham acesso privilegiado a esse ‘admirável mundo novo’. Era natural, no quarto de dormir, verem-se as latas das bebidas carinhosamente empilhadas, um poster dos Rolling Stones, a marca Coca-cola colada por todo o lado, um qualquer poster da Playboy a desafiar os mais liberais dos pais, enfim, respirava-se o início de alguma liberdade, tímida é certo, mas iniciava-se algo de novo.

A minha Mãe estava nessa altura uma bocadito aflita, pois trazia no ventre um rapazote de 4,5 kg, e como o meu irmão Carlos Alberto tinha nascido de pés, os semblantes denotavam grande preocupação.

A gravidez era “de risco”, porque a minha Mãe tinha um problema renal grave e corria “risco de vida”. Disse-lhe o Dr. Mário Cunha na altura em que se descobriu a gravidez, “oh rapariga, talvez seja melhor fazeres um aborto, mas isto já está muito adiantado…!”.

Fazer um aborto nessa altura, não era fácil! Felizmente, os meus pais decidiram arriscar e o Dr. Mário não os pressionou muito!

O problema renal ‘estacionou’ com o parto, mas em 1970 as coisas começaram-se a complicar “a sério” e a minha Mãe, já em desespero, foi parar às mãos de uma brilhante equipa de médicos de JOHANNESBURG.

Hoje aqui estou eu a escrever isto e a minha Mãe está connosco a ajudar a Lígia a fazer dois belos “Patos com Laranja”!

Este foi o início da minha história, que também teve algo de milagroso. A Lígia fez anos no dia 02 de Janeiro e esperem até saber a história dela!!

Tenho de ir … estão-me a chamar para ir provar o pato, pois eu sou o “provador oficial” cá da casa.

Amanhã conto-vos a história dela!

sábado, 23 de janeiro de 2010

Destaque - Site Apolo 70


Agradeço à livraria virtual Apolo 70 ter colocado o livro na primeira página. Obviamente que isso dá-lhe um bocadinho mais de visibilidade... Obrigado!

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Sózinha na Cidade, História de Vida - Porto Canal - Próximo Domingo


Domingo = 23h30
Repete na próxima Sexta-Feira às 13h30

A Porto Canal dá na TV Cabo e Cabovisão. Para quem não tenha o canal é possível ver a emissão em directo no site: www.portocanal.pt

Quem nos vai entrevistar é a Rosa Bella que vive relativamente perto de nós, mas não a conhecemos pessoalmente! A Rosa Bella já entrou em algumas séries de TV, a última que me lembro foi "Major Alvega" em que contracenava com o Ricardo Carriço.

Neste caso vai revelar-nos a sua faceta de apresentadora! Quem ainda não estiver farto de nos ver e ouvir, aqui está mais uma oportunidade.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O sonho da Inês!


O sonho da Inês é um dia conseguir fazer animação. Ela já fez várias brincadeiras e nós achámos piada, como por exemplo, com alguns rabiscos colocar um cachorro a correr como efectivamente um cachorro corre! É preciso paciência para os montões de desenhos que são necessários para as sequências e obviamente, um jeito inato!

Durante as apresentações todos viram que normalmente a Inês esteve a um canto a desenhar. Na Fnac Gaiashopping fez várias coisas e já na parte final, fez este busto de um lobo.........

A nossa pequenina Inês está tão grande e ainda 'há dias', nas férias, estava-me a dizer amuada "oh, pai, eu quia ver o senhor pintai!". Tinha ela 4 anos e estava a choramingar porque obriguei-a a continuar o n/ passeio, pois já estávamos há um bom pedaço a ver 'um pintor de rua' executar uma obra para um grupo de atentos turistas!

domingo, 17 de janeiro de 2010

FNAC - Fim das apresentações

E pronto, chegou ao fim! Esta parte das FNACs, acabou, agora irei retomar a normalidade do meu dia a dia, fora dos livros, longe do público e perto dos seguros.

No N/ horizonte está apenas um compromisso com a Biblioteca da Camara Municipal de Ovar, mas ainda não sei como e quando será!

Entretanto continuarei a ir dando notícias neste blog e espero sinceramente, que o livro consiga agora fazer o seu percurso sózinho. Tenho recebido algumas críticas que me deixaram verdadeiramente orgulhoso, pois o "Lutar até Viver" já teve o dom de ajudar algumas pessoas que estão a atravessar períodos menos bons. Isto é realmente um bom presságio e aquece-nos a alma sabê-lo!

sábado, 16 de janeiro de 2010

Mais uma surpresa, desta vez dos Açores ...


O "Lutar até Viver" consta neste rol de prendas, presumo que para a galhofa! A foto anexa está substancialmente encurtada, mas que elogio, eu ao lado de Júlio Verne, Marcel Proust, etc! Acaba por ser surpreendente e honroso!

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

World Art


Há dias estava a ler um jornal gratuito e dei de caras com um pequeno artigo que acompanhava a capa do livro. Hoje deparei com isto na Net! É sempre agradável e para quem não está habituado a estas coisas, ainda mais agradável se torna!

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Zilda Cardoso - "vidas vividas com carinho e verdade"

Página 110

Quem passa por uma experiência como a nossa sabe qual é o valor relativo das coisas. Se nos faltar o dinheiro, se nos faltarem os bens materiais, temo-nos pelo menos a nós próprios, temos os nossos sentimentos, os nossos amores, os nossos tesouros, que são as nossas vidas e as vidas dos nossos filhos. Unidos, podemos viver de muito pouco e então, se olharmos para os pobres verdadeiramente pobres dos arredores de Mumbai, ou daquelas aldeolas fora dos roteiros turísticos que descem o Nilo entre Assuão e Luxor no Egipto, então percebemos, que o nosso patamar mais baixo, é inalcançável para toda essa pobre gente. Temos realmente de nos dar por muito felizes por termos nascido em Portugal.
Por tudo isto digo e repito que qualquer buraco orçamental é bem-vindo se a sua razão for a nossa saúde! As nossas vidas não têm preço, logo temos de gastar para as salvar tudo o que temos e tudo o que não temos! Tudo é correcto se o dinheiro for bem gasto e se as gestões hospitalares forem competentes! Todas as localidades deveriam ter urgências, todas deveriam ter serviços médicos condignos, até na mais recôndita aldeia deveriam haver formas de acudir imediatamente às populações. Uma vida não tem preço, então gaste-se o que se gastar, é irrelevante!

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Que dificuldade?!


Continua a sina dos que procuram o livro nas livrarias e não o encontram! Este fim-de-semana recebi várias mensagens e todas tinham em comum a ida a lojas FNACs.
Espero que com as outras esta dificuldade não se faça, sentir!! Por favor contactem-me para o e-mail da Hepaturix, pois a Hepaturix fornecerá todos os livros que forem necessários!

Lamento as sucessivas e frequentes viegens "em vão", sinceramente, e a todos os que me lêem e querem um livro, não hesitem, façam um donativo de 12 euros à hepaturix que receberão de volta um livro.

O mail para este efeito, é o já referido hepaturix@net.novis.pt

Obrigado

domingo, 10 de janeiro de 2010

La famille Schneider


O Daniel, a minha Tia Rosa e a Joana, minha prima e afilhada.

sábado, 9 de janeiro de 2010

Em homenagem ao Daniel!


Quem já leu o livro descobriu nas primeiras páginas uma pequena homenagem ao Daniel Schneider.

Para quem não nos conhece pessoalmente, vou então falar um pouco do Daniel.
O Daniel era meu Tio, era parisiense, conhecia Paris como ninguém e era casado com a minha Tia Rosa, irmã do meu pai.
O Daniel tinha uma personalidade muito peculiar, Deus iluminou-o com uma cultura geral fora de série e um dom natural para as artes, especialmente para a música, pois cantava e tocava maravilhosamente bem! Tocava variados instrumentos, mas o de eleição era a guitarra. O Daniel na juventude, por altura do ‘Maio de 68’, quando saiu da Marinha onde esteve poucos meses, ganhava a vida como músico de Jazz e tocava em diversos clubes de Paris, especialmente na zona de Montmartre. Essa "escola" deu-lhe uma pedalada difícil de acompanhar, eu que também toco guitarra, ao pé do Daniel sentia-me um verdadeiro ignorante e sempre fiz com que a minha guitarra passasse despercebida para não estragar... O Daniel não só tocava divinalmente bem, como tinha uma voz doce capaz de silenciar o mais exigente auditório! O seu meio de eleição era a música francesa, toda ela, e qualquer versão que saía dos seus dedos e da sua voz, mostrava-nos que o Daniel era um talento muito especial. Também tinha muitos originais e várias sinfonias completas, mas se o Daniel tinha esse dom, também tinha uma certa "pancada de génio" e sempre se recusou a divulgar a sua obra. Nunca quis comercializar as suas músicas nem dá-las a conhecer a quem não o conhecia, porque na sua perspectiva, o dinheiro era um cancro que destruía a essência de tudo e por isso, só os amigos poderiam aceder à sua arte, gratuitamente e quando o momento o proporcionasse! Um desses amigos era o Manuel Freire o tal da Pedra Filosofal e também ele se rendeu ao encanto do Daniel! Quando o Daniel pegava na guitarra, era só deixá-lo ir que íamos parar a um universo perfeito!
Conheci o Daniel tinha quase 13 anos e o meu irmão Carlos faleceu pouco tempo depois. Eu e o Daniel, ano após ano fomos construindo uma amizade especial, não de tio/sobrinho, mas mais de irmãos o que me ajudou a ultrapassar a dor da perda do meu mano! Veio a adolescência e também a liberdade total, pois com o Daniel podia ir a qualquer lado e a qualquer hora. Tínhamos carro, tínhamos dinheiro, tínhamos as violas e muitos amigos. Foram tempos maravilhosos, tempos de muita e sã boémia, com o Daniel nunca se ultrapassou o limite do aceitável! Talvez fumássemos demais e bebíamos um pouco, mas nunca pisámos areias movediças. Recordo hoje com muita ternura, todos os momentos preciosos que passámos juntos!
Um dia, ainda namorados, eu e a Lígia tivemos uma ruptura irreversível e o mundo para mim pareceu acabar. Nessa noite, eu e o Daniel estivemos até de manhã a tocar viola, na minha salinha de música. Já de manhã, o Daniel olhou-me nos olhos e disse-me, “vai ter com ela e diz-lhe o que sentes no coração”.
Antes, o mundo parecia-me perdido, a Lígia separou-se de mim ‘para sempre’ e também eu me separei dela com o mesmo sentimento, mas, quando cheguei ao café, sem dormir, parecia-me aquele conselho tão simples, ridiculamente desajustado face à enormidade das diferenças que nos separaram! Encontrei-a com os olhos inchados, a beber um café e a fumar um cigarro. Olhámo-nos e nada dissemos, apenas nos beijámos e ainda hoje estamos juntos!

O Daniel morreu num sítio que ele sublimava, a montanha! Morreu de ataque cardíaco nos Alpes, durante a "classe de neige", com os seus alunos, pois o Daniel era professor primário.

Que saudades do Daniel!
Grande Daniel!

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

LOCAIS DE VENDA

Coloquei-os no comentário a este "post", para assim não ocuparem muito espaço.

Para quem os quiser visualizar bastará clicar em "comentários".

O livro e o Instituto de Bioética (UCP)

"Já li e levei para o Instituto de Bioética para ser usado em aulas de formação em bioética.Gostei de o ler."

Daniel Serrão

sábado, 2 de janeiro de 2010

Video Alex vs Leopoldina no Youtube

Hoje tive esta surpresa agradável, é que ainda não tinha visto o video completo! Aqui vai o link, que terão de copiar pois não está a fazer o reenvio automático!

http://www.youtube.com/watch?v=7FTXSj1ul_A

1º Lugar !?


O livro poderia ter atingido o primeiro lugar na Apolo 70!! O que aconteceu foi isto, o livro esgotou, quando passou para 2º e depois esteve mais de uma semana esgotado. Entretanto a 2º edição ainda não chegou à Apolo 70 e o livro foi caindo, pois eles já não têm livros há mais de 15 dias... actualmente está no 8º lugar! A este ritmo, a curto prazo, deixará de constar!

Deixo-vos aqui uma imagem do famoso pôr-do-sol de Ibiza, uma imagem inspiradora!!

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Mais uma VITÓRIA, voilá 2010 !

Mais uma grande VITÓRIA, estamos todos juntos e chegámos a 2010!

Viva 2010 e que no final do ano estejamos cá todos, de saúde e felizes!